Comportamento Autodestrutivo e Fuga

Esse post é uma sequência do Consciência do vazio. Se você ainda não leu, vai lá rapidinho e depois volta.

Ontem o dia foi cheio de sincronicidades para que eu escreva esse post. O vídeo de um amigo, o jantar de ontem com uma amiga, um post em um grupo e um áudio de outra amiga.

No post Consciência do Vazio eu comento dos enchimentos que usamos para preencher o vazio e como usamos muito, eles se transformam em um comportamento autodestrutivo. Mas porque temos determinado comportamento se sabemos que ele nos faz mal? Por algum motivo – cada um “escolhe” os seu – esses comportamentos anestesiam a gente do que a gente tá vivendo. É como se por alguns minutos ou horas, não sentíssemos as coisas.

É essa sensação que a gente busca e no dia seguinte, ou no minuto seguinte, nos culpamos. Porque eu fiz isso de novo se me faz tão mal? Fazemos porque queremos fugir de algum  SENTIMENTO.

“Para fazer sentido, precisamos sentir.” Flavia Melissa

Toda vez que você foge de algo que está sentindo – raiva, medo, ansiedade, muitas vezes apenas tédio – você procura comportamentos autodestrutivos. Não é o comportamento autodestrutivo que te atrai. É a fuga do que você não quer sentir.

Encarar de frente o sentimento no primeiro momento é difícil mesmo. Mas é sempre mais fácil do que o monstro dentro do armário. Vale a pena trilhar o caminho do auto conhecimento. Se não, você foge hoje, ele entra na sua frente de novo amanhã. Você desvia, aí ele te atropela na semana que vem… Kkkkkk

O comportamento autodestrutivo não faz mal só porque a maioria é ruim para a saúde. Ele é ruim porque também te afasta da possibilidade de aprender com o sentimento que está te trazendo a necessidade de fuga.

Dica de hoje: observe-se sem julgar ou mudar sua atitude. Apenas observe o que te leva para um ou outro lado. O que te faz ter vontade de fazer uma coisa ou outra? Sem considerar certo ou errado, apenas observe o que te faz ter vontade, naquele primeiro momento em que vem o impulso de fazer determinada coisa. Há um segundo, um terceiro e um quarto passo. Mas por hoje, só se observe…

Beijo

Sofia

P.S. Assiste esse vídeo curtinho e muito bem humorado sobre como a mente mente:

Vídeo sobre como observar a própria mente – Bruno Bock

P.S.2 Maneiras de substituir hábitos ruins enquanto você não consegue resolver os sentimentos e o vazio:

Vídeo como evitar comportamentos destrutivos – Paula Abreu

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s